sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Medo?

Espero que entenda que enquanto estávamos juntos, naquele jogo de ganhar e perder, meus olhos se fecharam e as dimensões do mundo já não importavam mais, e naquele momento so me interessavam as texturas e o seu cheiro, e sua voz no meu ouvido. Todo o senso de espaço foi perdido e eu estava confortavel ali, não havia importancia geografica, nunca quis saber se a cama estava no quarto ou o quarto na cama, se a janela aberta dava para a rua ou para a cara do vizinho da frente, se a lua ou os cupins do poste la fora nos enchergavam e se divertiam ou não com o nosso teatro. O teto e o chão poderiam ser um só que não fariam diferença, e apesar de eu estar suando não existia calor e nem frio, e se alguem me falasse de tempo eu daria risada e chamaria o assunto de brincadeira.
O problema é que depois do fim daquele ato, onde voce protagonizava, enquanto nos preparavamos para uma segunda cena tudo voltou de repente ao lugar, a cama caiu no quarto, a janela aberta pareceu algo sombrio na frente daquela parede sem outras janelas e a visão da rua deserta me encheu de frio, era lua nova eu acho, pois não me lembro de tê-visto aquela noite. O piso e o teto voltaram ao seu lugar e eu não sei se senti o mundo parando, me convidando a descer ou se começou a girar mais rapido a fim de me derrubar, pois todas as dimensoes voltaram a existir mais claras e mais definidas do que nunca, e assustado eu achei que toda aquele realidade atirada de volta no meu rosto era o que realmente importava e fugi assustado ouvindo vozes na minha cabeça que falavam de infernos e pecados, e mesmo sozinho sentia olhares de desaprovação em minhas costas. E eu aqui todo inocente achando que não sentia mais medo...

Nenhum comentário:

Postar um comentário